Mauricio Vieira: Cultivando amistad y poesía contemporánea brasileña


O desejo está no alto da colina

 

 

 

Eu sou Su Song
Há muito tempo atrás meu ancestral
De quem não guardo mágoa
Inventou o horário com seu relógio d’água.
Nunca perco a hora, pois vivo no trabalho
Apesar do relógio,
Presente da direção, por ter me dedicado
Há tempos ter parado.
Todo dia sem descanso, não tenh’ora pra parar
Estou sempre no horário
Na fábrica de relógios onde trabalho
Só preciso d’um bule de chá.

Mauricio Vieira

(www.cronopios.com.br/site/poesia.asp?id=5079)


 

 

“Yo cultivo las amistades cultivadas, gente con dignidad y poesía en sus vidas”

www.kitandaoleola.com